Destaque, Notícias › 13/06/2016

Santo Antônio toma conta do bairro do Pari

Érika Augusto e Moacir Beggo 

São Paulo (SP) – O bairro do Pari já não é o mesmo. Os prédios comerciais há muito tomaram conta das ruas e quarteirões deste tradicional reduto de portugueses, onde há 102 anos nasceu a Paróquia dedicada ao santo português, que hoje é do mundo inteiro. Mas nesta segunda-feira, Santo Antônio reinou absoluto. Ele mexeu até com o trânsito para que tivesse mais espaço para acolher o povo devoto que veio de todos os cantos da Grande São Paulo. Muitas pessoas de outros estados que estavam fazendo compras também reservaram um tempinho para visitar o santo querido.

E foi assim durante todo o dia: igreja lotada, filas e filas para as barracas do Pãozinho de Santo Antônio e do Bolo de Santo Antônio, as preferidas. Santo Antônio abriu a sua casa como sempre abriu o seu coração gigante e acolheu a todos até a última homenagem: uma procissão pelas ruas do bairro com os seus fiéis devotos. Fiel devoto resume e define bem quem ficou até a procissão, pois o frio era intenso na capital paulista.

Santo Antônio fez um percurso pequeno e voltou para sua casa, deixando em todos uma certeza: ele toma conta do bairro e povo paulistano!

Frei Germano Guesser, que volta ao Pari como pároco, coordenou a primeira festa do Padroeiro e não poupou elogios aos voluntários e às pessoas que se dedicaram para o sucesso desta 102ª edição da festa. Ele presidiu a celebração solene, às 19h30, tendo como concelebrantes Frei Jeâ Paulo Andrade, mestre dos postulantes em Guaratinguetá, e Frei José Francisco de Cássia dos Santos, Definidor da Província e coordenador do Sefras. A igreja do Pari lotou completamente neste encerramento da festa. “É admirável como, após mais de oito séculos, celebramos Santo Antônio, o invocamos e o sentimos vivo e presente entre nós”, disse o pároco.

meioFrei Germano explicou que este ano a Paróquia escolheu o tema a Misericórdia para a festa por causa do Ano Santo proclamado pelo Papa Francisco. “Ele é o Santo da Misericórdia! Senão vejamos: da lista das sete obras de misericórdia corporais e as sete obras espirituais, em todas se destaca Santo Antônio”, observou.

Frei Germano lembrou que em um de seus Sermões, ele escreve que: “Quem é misericordioso para com os outros terá para ele a misericórdia de Deus”. Em outro sermão, dizia: “Como o rei Davi, deverás ter sempre a misericórdia diante dos teus olhos”.

 Santo Antônio é um exemplo para nós. “Amar os pobres, dedicar-se aos abandonados, ser uma Igreja pobre e a serviço dos pobres, como pede hoje o Papa Francisco, é uma marca da necessidade e atualidade de Santo Antônio, nosso padroeiro. As angústias, os medos, as dúvidas e as dívidas, os conflitos e injustiças não ficavam sem uma resposta carinhosa de Santo Antônio, com bom senso e equilíbrio, com respeito e atenção. Sofria com os que sofriam, alegrava-se com os alegres, rezava e agradecia com todos. Usava a linguagem do amor que era compreendida por todos”, disse.

Frei Germano lembrou, no entanto, que a verdadeira devoção leva à imitação. “Como devotos, sentimo-nos também interpelados com o exemplo da sua vida, com a sua santidade e pelos seus escritos, onde sobressai o vigor e a beleza do Evangelho e onde ele nos recorda as grandes verdades da fé e da salvação”, completou.

Durante o ofertório, um momento bonito com a oferta em dois grandes cestos das intenções recolhidas durante toda a Trezena. Foi também ofertada pela vereadora Edir Sales uma placa comemorativa com a inserção da Festa de Santo Antônio do Pari no Calendário oficial da cidade. Edir é autora da Lei 16.314/15, que estará valendo para a próxima edição da Festa.

AGRADECIMENTOS

Frei Germano se apresentou ao povo e explicou que participava da primeira festa de Santo Antônio como pároco. “Recebi a transferência para esta Paróquia no mês de fevereiro deste ano. Confesso que estou aprendendo ainda, afinal esta Festa é tão grandiosa como o Padroeiro é tão querido”, disse.

O novo pároco agradeceu exaustivamente as pessoas que ajudaram na realização da festa. “Quero deixar aqui os meus mais sinceros agradecimentos, especialmente à Comissão da Festa, às pastorais, aos movimentos, às equipes de liturgia, aos voluntários, aos colaboradores, aos doadores, aos meios de comunicação que divulgaram esta festa, ao Poder Público municipal, à vereadora Edir Sales, aos confrades que nos ajudaram na Trezena e especialmente ao Frei Jêa, que veio de Guaratinguetá com os postulantes para nos ajudar. Quero agradecer a todos, a todos mesmo! Não citarei todos os nomes para não cometer a indelicadeza de esquecer alguns. Por último, quero agradecer ao povo fiel devoto de Santo Antônio, que veio de todos os cantos da Grande São Paulo. Santo Antônio faz a multiplicação dos fiéis aqui nesta festa. Todos os fiéis de São Paulo vêm aqui”, enfatizou.

Segundo o frade, a festa do Padroeiro deve ser um tempo de paz, de confraternização, de encontro com Deus e com os irmãos e irmãs de caminhada. “Podemos dizer que a festa de Santo Antônio 2016, ano em que comemoramos 102 anos da criação da Paróquia, foi exatamente assim”, comemorou. “Obrigado, povo de São Paulo! Obrigado, queridos visitantes, amigos de nossa cidade! O sucesso dessa festa, abaixo de Deus, deve-se a vocês!”, completou pedindo a intercessão de Santo Antônio por todos nós junto a Deus Nosso Pai, Jesus Cristo e Maria!

A Festa de Santo Antônio terminou com uma grande queima de fogos às 21h47 desta segunda-feira.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com